CARPE DIEM

"Aproveite o momento" ; "Colha o dia " . "Aproveitar a vida e não ficar apenas pensando no futuro." SEJA BEM VINDO!!!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

OSCILAÇÕES


Ah, essa vontade de partir
sem ter pra onde ir
não importa que seja hoje ou amanhã
Apenas partir sem rumo;
talvez, de forma repentina, passageira,
sem olhar pra trás...

Essa angústia constante
que me atormenta a mente
um desejo de querer ficar
e de repartir...

Passos mansos
caminhadas curtas
Um olhar vago
e as vitrines das lojas, em cada esquina, frias
de cores mortas e soturnas
à espera de alguém …

Essa ânsia de querer chegar
sem ter ao menos partido
de querer voltar
sem ter chegado

Um aglomerado de seres
apresados e olhares absortos
Um acotovelar intermitente nos cruzamentos das ruas

Uma vontade louca de correr e gritar
de fugir , de não deixar pegadas
de pegar o primeiro coletivo
e partir sem destino e remorso algum
pra qualquer lugar
de dia, à noite , de madrugada...

Eu e o canto raivoso do motor
e a paisagem vista da janela
Árvores, capins, rios me deixando ,
ficando para trás …
e as montanhas cobertas por nuvens densas
a encobrir minhas lágrimas,
um soluçar de saudades
sem querer voltar
pra qualquer lugar
partir e não querer chegar .


domingo, 30 de outubro de 2011

PROMESSAS


Nada consigo fazer
quando a saudade me bate ,
sempre à espera de mim, doce saudade, à porta .
Foge-me a ilusão
sinto a alma ofegante
e um vazio no hd do meu peito perto do coração
Um fato quase consumado
sentir em meu peito
o vazio da alma...
Sinto falta de teus afagos
As noites intermináveis
e um frio dilacerante me corta a pele.
Afogo minhas mágoas na vodca sobre a mesa
e a tua lembrança , uma vaga lembrança, eis-me aqui , agora, em dose dupla .
Eu me faço notar e é tudo ridículo
a minha estúpida vingança
As dicas de amigas, vou tentar seguir
Sinto-me seguro ;
não beberei
jamais hei de fazê-lo ;
pelo menos me prometo
e uma imensa saudade
eu sinto partir ao fim do dia .

sábado, 15 de outubro de 2011

TRILHA


Talvez esteja certo , talvez esteja errado
Mas sei e estou bem certo; inexiste certo e errado;
Quem sabe instante exato .

Agora? O melhor: : viver e nada mais ;
Como se fosse, eu sei
A última , única vez
Deixar o bravo vento lamber a minha pele
e bela passarada recolher minha tristeza
caminhar eu sei que vou , e sem hesitação.

O céu , ei-lo cinzento, deixo para trás
cantarolar eu vou, assobiar eu quero
cerrar os olhos e fugir;
Em frente eu vou e sem demora ,
eu sei que vou soprar pueira.


O sentimento, levo em mãos
e escondo-o no coração .
Momento certo
a hora exata...
E não existe certo e errado
mas estou certo e sei bem disso,
do que os outros pensam de mim ,
do meu andar e meu falar,
eu bem que sei ,
é liberdade, é pensamento !

Estou bem certo? errado estou ?
Eu sei que sei
que nada sei
eu sei, bem sei que sei,
eu sei que sei .

Ei-la aqui perto
eu sei que sei
Incógnita é só começo
A bela de uma enfadonha descoberta
É o amor, um sentimento
É leve, é nobre e para poucos .

Ei-lo bravio um turbilhão
A solidão, ei-la aqui perto
Por que clemência?
Por que tamanha é aflição ?
Um dia só faz o outro
E tudo tem todo seu tempo,
Pra gente e toda gente
Navega o coração!
É gente é tanta gente
E Deus cuida da gente
Que gente não tem noção!
Ei-la aqui perto, mulher e uma paixão
Eis-me aqui, e vivo, quanta emoção!

domingo, 9 de outubro de 2011

RUMO


Vou por aí
Eis-me o tempo,
pegar um carro,
um trem; um barco ou um avião
Deixar o vento lamber as asas da emoção .

Sentir cheiro de terra, do barro
fugir da lama
do mar revolto
e sem remorso , no dorso,
minha paixão .

As pedras, todas,
Deixo rolarem
ir pro cerrado
e a chuva espessa varrer a minha dor.

A trilha,
a ilha
e uma solidão furtiva

Atrás do tempo, talvez perdido,
um coração , quiçá contrito
vou correndo,
vou morrendo;
um canto emudecer

Vou agora, sem demora
sozinho ou com a Dora.
Vou à noite ou de dia
eu sei que vou sem rumo .

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

DESEJO REPENTINO

É noite, mas entrevejo uma luz.
À minha frente, vagalumes riscam o caminho a trilhar.
Ouço apenas os meus passos
E pareço incansável a procura de ti ,

Eis-me a solidão e a percepção do fluir da nascente do rio .
Vestígios de tua delicadeza defronte de meus olhos,
atiçam minha curiosidade.
E, como menino a degustar o fruto do pecado, do proibido,
presumo minha chegada de surpresa;
e, sorrateiro, suponho enlaçar meus braços nus no teu corpo
e, sem demora, sussurro ao pé do teu ouvido inclinado aos meus lábios ,
palavras soltas e amenas

Sinto-me desfalecer
Mas não me exausto de dizer uma só palavra,
E cada sílaba está impregnada de todo sentimento .
Mas sinto-me , também florescer
e um desejo repentino faz com que minhas mãos espalhem pétalas de rosa.
de todas as cores, no caminho por onde deves passar .

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

NOTURNO

Ontem, sem pretensões de pensamentos futuros,
Caminhava pelas ruas escuras e desertas.
Meus passos lentos encontravam pelo caminho
Folhas mortas e papeis avulsos
Desordenadas folhas, em todas as calçadas, esquinas e becos,
a caminho do infinito, do inesperado.
A mão sorrateira apodera-se de sonhos alheios.
Manuscritos inacabados,
em linhas tortas e insinuantes
Desejos nunca partilhados.

Olhares furtivos e lânguidos
Corujas atentas, pássaros recolhidos
Ontem, minha sombra e um pensamento noturno
Acompanhavam meus passos soturnos,
à procura, apenas à procura

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

SURPRESO

Hoje não quero nada
Apenas o silêncio,
uma rede
e os requícios do vento da tarde;
que seja o meu consolo, o abraço ausente,
O afago de tuas mãos
e o teu olhar doce a instigar os meus …

Hoje queria o sol debruçado à minha janela
Um violeiro à minha porta e um canto só pra ela.


Ouço passos de toda gente
Talvez sem rumo , mas os sonhos espalhados pelo chão

Quando meus ouvidos atentarem a revoada
toda colorida e festeira ,
Quero caminhar à beira mar
Sentir o cheiro de sal
recolher e contar conchinhas na areia

Hoje quero a lua banhando meu corpo
e, de súbito, surpreso,
a sorrir com tua chegada .